Adoçantes

11:50 Pétalas delicadas 0 Comments

Olá, :D

Tudo bem povo lindo?

                 Hoje vamos falar sobre os ADOÇANTES, será que realmente é mais saudável que o açúcar comum? 

             Fique de olho e descubra.


               Pra que não sabe o que é, adoçante é um produto dietético constituído a partir de edulcorantes (substancias responsáveis pelo sabor doce) possui o poder de adoçamento muitas vezes maior do que o açúcar branco convencional e são recomendados para dietas especiais que seja de emagrecimento ou sob restrição médica do açúcar.

              As pessoas que são diabéticas devem procurar uma orientação médica e nutricional a respeito de qual adoçante deve utilizar, já que alguns deles contém lactose ou sacarose como veículo de suas substancias edulcorantes. Os adoçantes calóricos reduzem as colorias da dieta devido terem o poder adoçantes maior por tanto a quantidade de gotas deve ser bem mínima. 

              Os adoçantes podem ser divididos de algumas formas. Primeiro existe uma divisão entre adoçantes naturais e artificiais, de acordo com a origem do produto. Exemplos de adoçantes naturais são a frutose e a stévia, e de artificiais, aspartame e sacarina sódica.
              Outra classificação dos adoçantes é quanto ao seu teor de calorias. Sendo assim, eles se dividem em nutritivos (que tem calorias) e não nutritivos (sem calorias). Vale ressaltar que mesmo os calóricos são muito menos calóricos que o açúcar, caso contrário seu uso não teria sentido. Exemplos de adoçantes calóricos são o aspartame, frutose, sorbitol e xilitol. Já de não calóricos, alguns exemplo são o ciclamato, sacarina e sucralose.

Adoçantes Não Calóricos

Sacarina


- É o adoçante artificial mais antigo, foi descoberto em 1897 e usado desde 1900
- É sintético e extraída de um derivado do petróleo
- Adoça aproximadamente 200 vezes mais que a sacarose (açúcar branco)
- É absorvida lentamente, mas não é metabolizada pelo organismo, sendo excretada de forma inalterada pelo rim.
- Não causa cáries
- Possui sabor residual amargo e metálico
- É estável a altas temperaturas, podendo ser utilizado em preparações quentes

Ciclamato

- Descoberto em 1940
- É sintético e composto a base de um derivado de petróleo
- É cerca de trinta vezes mais doce que a sacarose
- Possui sabor residual doce-azedo
- Não causa cáries
- Estável a altas temperaturas
- O ciclamato é permitido nos Estados Unidos, Canadá, Brasil e mais de quarenta países

Aspartame

- Descoberto em 1965;
- É uma proteína adocicada produzida a partir de dois aminoácidos encontrados normalmente nos alimentos: metil-éster-fenilalanina e ácido l-aspártico
- Cerca de 43 vezes mais doce do que a sacarose
- Não causa cáries
- Possui sabor residual semelhante ao da sacarose
- Não deve ir ao fogo porque em altas temperaturas pois sofre uma reação que causa perda do sabor doce. Recomenda-se acrescentar o produto aos alimentos e líquidos após a retirada do fogo, apesar de não terem sido notadas alterações quando utilizado em preparações com leve aquecimento ou em recheio de bolo, tortas, etc. De preferência, deve ser misturado aos alimentos no momento do consumo
- É contra-indicado para os portadores de fenilcetonúria (incapacidade do organismo de metabolizar a fenilalanina). Esta anomalia é rara e geralmente é diagnosticada ao nascimento

Acesulfame

- Descoberto em 1967, foi aprovado pela FDA em 1988 para uso em bebidas, sobremesas, gomas de mascar e adoçantes de mesa
- O Ace-K é um sal de potássio sintético produzido a partir de um ácido da família do ácido acético
- É cerca de 125 vezes mais doce do que a sacarose
- Sabor residual semelhante a glicose (mais doce do que a sacarose)
- O organismo o absorve mas não o metaboliza, o que significa que é eliminado tal como é ingerido
- Não causa cáries
- Pode ir ao fogo por ser estável a altas temperaturas
- Pessoas com deficiências renais que necessitam limitar a ingestão de potássio (K) devem estar cientes de que este produto contém pequenas quantidades deste elemento

Stévia

- Foi descoberto em 1905
- Stévia é o adoçante extraído da stévia, planta originária da Serra do Amambaí, na fronteira do Brasil com o Paraguai
- É bastante consumido no mundo oriental, principalmente no Japão
- Adoça cerca de 200 vezes mais do que a sacarose
- Seu sabor residual é semelhante ao do alcaçuz
- Não causa cáries
- E o único adoçante de origem vegetal produzido em escala industrial

Adoçantes Calóricos

Frutose
- É um adoçante natural e encontrado nas frutas e no mel
- Contém 4 kcal por grama
- Causa cáries
- Inicialmente seu metabolismo não depende da insulina. Estudos recentes comprovam que a frutose, quando ingerida junto das refeições não altera a glicemia.
- Seu alto poder adoçante torna a frutose um adoçante pouco calórico, uma vez que são necessárias dosagens pequenas para atingirmos um sabor adocicado.
- Quando submetida ao calor a frutose derrete, porém mantém o seu sabor

Xylitol, Sorbitol e Manitol
- São álcoois de açúcar obtidos pela redução da glicose (sorbitol) e frutose (manitol). O xylitol é obtido pela hidrogenação da xilose
- Contêm 4 kcal por grama
- Não causam cáries e por isso são largamento utilizados na produção de goma de mascar
- São utilizados por indústrias na elaboração de produtos dietéticos

Recomendação máxima diária (OMS)
Para obter o valor diário (máximo) recomendado basta multiplicar o valor abaixo pelo seu peso

Edulcorante => Limite (mg/Kg)
Acesulfatame-K: 15
Aspartame: 40
Ciclamato: 11
Frutose: não existe limite
Sacarina: 5
Stévia: 5,5
Xylitol, Manitol e Sorbitol: 15  

Orientações gerais

Como já mencionamos no texto sobre produtos light, não necessariamente um produto feito com adoçantes em substituição ao açúcar, vai garantir que você está ingerindo menos calorias. Os produtos “diet” originais foram produzidos com o intento de reduzir a ingestão de açúcar, mas para manutenção da textura, o teor de gorduras foi aumentado. Portanto, atenção às tabelas nutricionais para verificar o conteúdo calórico do alimento a ser consumido.
É comprovado que o açúcar acaba provocando no cérebro uma reação similar, e na mesma área, à drogas como a heroína e cocaína. Por isso a retirada abrupta do açúcar pode ser muito difícil para pessoas que estão de certa forma viciadas nele. E nesse aspecto, os adoçantes podem ser bastante úteis, não só pela redução calórica, mas para ajudar em um “descondicionamento”.
Entretanto, um cuidado deve ser tomado aqui. Suas papilas gustativas podem ser treinadas, digamos assim. Trocar açúcar por adoçantes pode ser um bom começo, tendo em vista que o açúcar é viciante. Porém, a manutenção do gosto doce acaba por manter suas papilas acostumadas com aquilo. E isso pode gerar eventuais, e até frequentes desejos por alimentos doces. Não se surpreenda se você, mesmo que não coloque açúcar e use adoçantes, se pegue desejando aquele doce altamente bombástico em matéria de calorias. O ideal é usar os adoçantes como um caminho para se livrar da necessidade de adoçar.

Efeitos colaterais

Até porque adoçantes não são totalmente inócuos. Todo e qualquer adoçante tem uma determinada dose máxima, e ultrapassar essa dosagem não é difícil, especialmente indivíduos que prefiram um sabor bastante adoçado. E a coisa piora se você consome produtos que levam esses adoçantes na composição.
Uma dúvida comum é a respeito da segurança do uso de adoçantes pelas gestantes. O Ministério da Saúde não recomenda o uso de sacarina por gestantes, mas em geral, os demais adoçantes não ofereceram perigo em diversos estudos. Mas isso vale para doses normais, e como já dissemos, é bem fácil superdosar. Portanto, se tiver dúvidas, evite, ou na pior das hipóteses, use com bastante parcimônia.
Já o aspartame não deve ser utilizado por portadores de fenilcetonúria. O acessulfame K é um sal de potássio com poder adoçante 300 vezes maior que a sacarose, mas justamente por conter potássio, deve ser evitado por portadores de doenças renais crônicas.
Fonte:http://comeceaemagrecer.com.br/adocantes/

0 Pétalas:

Olá! Obrigado pela visita.
Que tal dizer o que achou? Vou adorar saber.

Deixe o link do seu blog, quero conhecer!